Arquitetura com função de Voronoi – acontecendo no Brasil?

Posted: 10/11/2010 in Arquitetura, Bauru
Etiquetas:, , , ,

A questão do uso de funções matemáticas na arquitetura é um assunto que dá pano pra manga. Fica ali, disponível para devaneios com alguma base coerente e outros mais saborosos, levados por propositais pseudo-ciências divertidas de boteco.

O ato criativo, que em muitos casos está associado a movimentos estruturais ou lógicos durante o processo, ou como parte essencial deste, anda na intimidade com a matemática e não é de hoje. Aliás, quanto mais complexo e matematico, menos vai parecer que é.

Vou esboçar um tosco resumo, pretensioso e provavelmente falho e muito curto rsrsrs…. A coisa começa, segundo a história clássica, no idealismo platonico que através da elaboração do mundo ideal, o único lugar onde a matemática é possível e perfeita, pois é dali que emana, assim como os objetos. Depois, durante correrias históricas, adquire complexidade, na propria formação cultural – eis aí a primeiro avanço da matemática em direção ao caos que filosoficamente é lindo, mas nem tanto matematicamente. Algumas pessoas não gostam de perder o controle.

Adquirem-se funções, no decorrer histórico, que apaziguam a dor matemática entre a falta de controle e o visual medíocre da geometria clássica: estamos falando das famosas fractais, poeiras de cantor, estruturas de voronoi. Este último, nem tão conhecido, sera razão para algumas imagens de lambuja: o que parece aleatoriedade artística, é aleatoriedade matemática aparente…


Um ambiente multidimensional que seria um paraíso ludico se fosse para a escala humana… baseado na função de Voronoi.

Aqui dá pra ver a escala. Imagine se isso tivesse 350m de altura… praticamente um motel style no Distrito 9…

Faça o seu também, especialmente se morar no Brasil, que não tem insetos, melhor ainda se morar próximo ou no próprio Amazonas ou Pará e locais similares onde é comum encontrar, em casa, baratas selvagens de 15cm..

Um projeto conceitual que só faz sentido na roda teórica, se você está no BRASIL. Na prática, só existe especulação imobiliária, picuinha, norma de 1560 que o D. João proclamou e mão-de-obra super qualificada… além de um dos custos mais altos do mundo /m2 de construção.

Eu amo projeto e matemática. Amo mais ainda quando você está no Brasil, e o pedreiro olha o projeto, coça a cabeça e dá uma pensada. Ou então quando você leva um troço desse na prefeitura e alguém fala assim “tem que cotar os 15cm da espessura do muro”, voltando a PRANTA pra você perder muito tempo e tesão pela profissão…

A questão do uso de funções matemáticas na arquitetura é um assunto que dá pano pra manga. Fica ali, disponível para devaneios com alguma base coerente e outros mais saborosos, levados por propositais pseudo-ciências divertidas de boteco.O ato criativo, que em muitos casos está associado a movimentos estruturais ou lógicos durante o processo, ou como parte essencial deste, anda na intimidade com a matemática e não é de hoje. Aliás, quanto mais complexo e matematico, menos vai parecer que é.Vou esboçar um tosco resumo, pretensioso e provavelmente falho e muito curto rsrsrs…. A coisa começa, segundo a história clássica, no idealismo platonico que através da elaboração do mundo ideal, o único lugar onde a matemática é possível e perfeita, pois é dali que emana, assim como os objetos. Depois, durante correrias históricas, adquire complexidade, na propria formação cultural – eis aí a primeiro avanço da matemática em direção ao caos que filosoficamente é lindo, mas nem tanto matematicamente. Algumas pessoas não gostam de perder o controle.Adquirem-se funções, no decorrer histórico, que apaziguam a dor matemática entre a falta de controle e o visual medíocre da geometria clássica: estamos falando das famosas fractais, poeiras de cantor, estruturas de voronoi. Este último, nem tão conhecido, sera razão para algumas imagens de lambuja: o que parece aleatoriedade artística, é aleatoriedade matemática aparente…Eu amo projeto e matemática. Amo mais ainda quando você está no Brasil, e o pedreiro olha o projeto, coça a cabeça e dá uma pensada. Ou então quando você leva um troço desse na prefeitura e alguém fala assim “tem que cotar os 15cm da espessura do muro”, voltando a PRANTA pra você perder muito tempo e tesão pela profissão… 

Aqui dá pra ver a escala. Imagine se isso tivesse 150m de altura… praticamente um motel style no Distrito 9…
Faça o seu também, especialmente se morar no Brasil, que não tem insetos, melhor ainda se morar próximo ou no próprio Amazonas ou Pará e locais similares onde é comum encontrar, em casa, baratas selvagens de 15cm..
Um diagrama conceitual que só faz sentido na roda teórica, se você está no BRASIL. Na prática, só existe especulação imobiliária, picuinha, norma de 1560 que o D. João proclamou e mão-de-obra super qualificada… além de um dos custos mais altos do mundo /m2 de construção.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s